As ruas do Velho Triângulo: Rua Direita



Quinta-feira | 21 de maio, 2020 | 12h24          Publicação conjunta com Alô Tatuapé

 

“Fazer o triângulo”, poderia ser comparado, de forma livre, a atual expressão “vamos pra balada”.

O Centro Velho ou Centro Histórico de São Paulo, confinado à colina central, margeada pelo Vale do Anhangabaú e a Várzea do Carmo, encerrava o “Triângulo”, originado em tempos coloniais pelas sendas que comunicavam os largos da Sé, São Francisco e São Bento.

Modernamente, passou a ser o Triângulo o centro da cidade, delimitado pelas ruas 15 de Novembro, São Bento e Direita, que concentravam toda a vida social e comercial e as lojas que eram o “ponto de encontro preferido da clientela mundana”.

 

Rua Direita. Fonte e imagem: Livro “Lembranças de São Paulo – A capital Paulista nos cartões-postais e álbuns de lembranças”. Autores: João Emílio Gerodetti e Carlos Cornejo. Publicado sob autorização dos autores.

Rua Direita. Fonte e imagem: Livro “Lembranças de São Paulo – A capital Paulista nos cartões-postais e álbuns de lembranças”. Autores: João Emílio Gerodetti e Carlos Cornejo. Publicado sob autorização dos autores.

 

É na época desse esplendor que surge a expressão “Fazer o Triângulo”, um footing elegante, ou caminhada de rapazes, avançando pelas ruas Direita, São Bento e 15 de Novembro, enquanto as moças o faziam no sentido contrário, tendo oportunidade de trocarem olhares...

Esta era uma das cabeceiras do antigo Viaduto do Chá e a seguir, o cruzamento das ruas Direita e Líbero Badaró, por volta de 1905. À esquerda, a casa dos Barões de Tatuí e, à direita, a torre da Igreja de Santo Antônio. A atual Praça do Patriarca foi construída no lugar das casas que ocupavam os terrenos à esquerda.