Vila Maria Zélia – Uma Ilha na Pauliceia


Literatura: 100 anos da Vila Maria Zélia


O livro com 200 páginas reviveu a história da Vila Maria Zélia, marco da relação entre a cidade, os operários e a instalação da indústria têxtil na capital, através da moderníssima fábrica de Jorge Luiz Gustavo Street em 1917, instalada no distante bairro do Belenzinho, dando origem à famosa “Vila”, como é carinhosamente conhecida pelos orgulhosos moradores – muitos dos quais herdaram dos pais, tios e avós as casas construídas por Street, a fim de receber os operários e instalar os mestres do ofício em sua maioria italianos. Sob seu incentivo também foi criado um time de futebol. Afinal, era moda entre os grandes empresários ter participação no esporte que mais crescia no mundo. Suas iniciativas e pensamentos mudaram a relação entre patrões e empregados. Com o título “Vila Maria Zélia Uma Ilha na Pauliceia – 100 anos de História, Convivência, Amor e Emoção – 1917 - 2017”, o livro traz o prefácio do juiz de Direito, Ary Casagrande, que cresceu no lugar. Seu pai foi presidente e incentivador durante 25 anos do Clube Atlético Recreativo Maria Zélia – que revelou Luizinho, Milton Pimentel, Roberto Belangero e Colombo ao Corinthians, entre outros craques do futebol brasileiro. A abertura do capítulo “Fábrica Maria Zélia”, foi escrita por dona Celina Monteiro, neta de Zélia Frias Street e Jorge Street. Ela nos revelou fatos históricos inéditos e frases do industrial, como: “Sem minha mulher, a Maria Zélia não existiria”.