Usina de Rasgão, 90 anos – a resposta da Light à estiagem paulista

Postado em set 27, 2015



Domingo, 27 de setembro de 2015, às 05h06
Ainda em operação, a Usina Hidrelétrica de Rasgão completou 90 anos em setembro.

Fundação Energia e Saneamento (FES)
Obras da Usina de Rasgão – 4/8/1925. Foto: Acervo FES

Obras da Usina de Rasgão – 4/8/1925. Foto: Acervo FES

Vista geral da Usina Hidrelétrica de Rasgão. S.d. Foto: Acervo FES

Vista geral da Usina Hidrelétrica de Rasgão. S.d. Foto: Acervo FES

O projeto de sua construção foi uma das ações do Grupo Light para combater os problemas de fornecimento de energia à Capital, ocasionados por uma forte estiagem que atingiu o Estado de São Paulo entre os anos de 1924 e 1925 e diminuiu o nível dos reservatórios das duas hidrelétricas operadas pela Light à época, as usinas de Parnaíba e Itupararanga.

Usina de Rasgão. S.d. Foto: Acervo FES

Usina de Rasgão. S.d. Foto: Acervo FES

A crise levou a companhia a tomar diversas medidas, entre elas a realização de campanhas de incentivo à redução de consumo e a compra de energia gerada por outras empresas. Mas a seca e a crise prosseguiram e, em outubro de 1924, foram iniciadas as obras da Usina de Rasgão, construída no Rio Tietê, em Pirapora do Bom Jesus. No local, em meados do século XVIII, o capitão Fernão Paes de Barros iniciou a abertura de um canal, um “rasgão” que desviaria a água do leito do rio, para a procura de ouro.

Represa da Usina de Rasgão rio Tietê abaixo – 13/12/1925. Foto: Acervo FES

Represa da Usina de Rasgão rio Tietê abaixo – 13/12/1925. Foto: Acervo FES

Sob a direção do engenheiro e vice-presidente da Light em São Paulo, Asa W. K. Billings, as obras da hidrelétrica foram concluídas em menos de 11 meses, tempo relativamente curto para a época. A inauguração de seu primeiro gerador, em caráter experimental, ocorreu em 6 de setembro de 1925. A casa de máquinas foi projetada pelo prestigiado escritório do arquiteto Ramos de Azevedo. Sete dias após o início do funcionamento de sua segunda unidade geradora, a 6 de novembro de 1925, foi decretado o fim do racionamento de energia na Capital, iniciado em fevereiro do mesmo ano.

Vista interna do desenvolvimento da casa de máquinas – 28/05/1926. Foto: Acervo FES

Vista interna do desenvolvimento da casa de máquinas – 28/05/1926. Foto: Acervo FES

Com uma capacidade instalada de 23,6 MW quando inaugurada, a Usina Hidrelétrica de Rasgão operou sem interrupções até ser desativada em 1961, em virtude de uma infiltração em seu canal. Em 1989, suas estruturas foram recuperadas e Rasgão foi reintegrada ao sistema de geração de energia do Estado. Atualmente, é operada pela EMAE – Empresa Metropolitana de Águas e Energia S.A.