As transformações urbanas da cidade de São Paulo

Postado em ago 16, 2015


Até o final do século 19, a cidade de São Paulo ainda apresentava traços coloniais, tanto na arquitetura como no traçado urbano. A introdução da cafeicultura em terras paulistas e a chegada de milhares de imigrantes na cidade foram decisivas para alterar esse panorama.

Fundação Energia e Saneamento | Fotos acervo FES

São diversas as iniciativas que marcam as mudanças da São Paulo de 1890, que possuía 65 mil habitantes, para a de 1940, com 1,3 milhão de pessoas. Em menos de um século, a cidade passou a receber diversos investimentos em infraestrutura e foi testemunha da inauguração de uma estrada de ferro e linhas de bonde, da implantação de iluminação pública, de obras de pavimentação, além da efetivação de um plano de abastecimento de água e disposição de esgotos, com a construção de represas, reservatórios e estações elevatórias, entre outras ações.

Foto: Acervo Fundação Energia e Saneamento

A foto de 1900 revela o Largo de São Bento com a antiga capela do mosteiro, ainda em estilo colonial – mais tarde, a igreja seria reformada em estilo gótico. Na imagem vê-se poste de iluminação a gás e passageiros à espera do bonde elétrico. Foto: Acervo Fundação Energia e Saneamento

Com um importante acervo que registra essas mudanças, a Fundação Energia e Saneamento lançou há dois anos, o livro de fotografias Transformações Urbanas: São Paulo 1893 − 1940. A obra, que celebrou os 15 anos da instituição, traz textos de especialistas, 179 fotos históricas e propõe um passeio por uma São Paulo antiga, evidenciando como as obras de infraestrutura foram decisivas para a sua transformação.

Veja aqui algumas dessas imagens, de Guilherme Gaensly, Pierre Doumet e Hugo Zanella. O livro traz ainda fotos inéditas de Raul de Almeida Prado.


Foto: Acervo Fundação Energia e Saneamento

Foto: Acervo Fundação Energia e Saneamento

Conhecida como “Usina”, a Estação Elevatória de Esgotos da Ponte Pequena era responsável por levar os esgotos do Brás e da Mooca ao rio Tietê. Durante a década de 1890, a rede de esgotos da cidade começou a ser estendida para todas as áreas povoadas. Foto de 1901. Acervo Memória Sabesp.

Foto: Acervo Fundação Energia e Saneamento

Foto: Acervo Fundação Energia e Saneamento

O antigo Viaduto do Chá em 1910; à direita, o Teatro São José, demolido em meados da década de 1920 para a construção do prédio Alexander Mackenzie; ao fundo, à direita, o Grande Hotel Rotisserie Sportsman, um dos primeiros hotéis de luxo da cidade que deu lugar ao edifício que hoje abriga a Prefeitura de São Paulo; e à esquerda do viaduto, o Automóvel Clube, demolido.

Foto: Acervo Fundação Energia e Saneamento

Foto: Acervo Fundação Energia e Saneamento

Fachada do Jockey Club de São Paulo, na Rua Bresser, na Mooca, após ser atingido por bombardeios durante a Revolução de 1924. Fundado em 1875, o Jockey foi o ponto de decolagem do primeiro vôo sem escalas entre São Paulo e Rio de Janeiro, realizado pelo comandante Edu Chaves em 6 de julho de 1914. Em 1941, o clube mudou−se para o bairro de Cidade Jardim.

Foto: Acervo Fundação Energia e Saneamento

Foto: Acervo Fundação Energia e Saneamento

Rio Pinheiros em sua configuração natural, antes de ser retificado por conta das intervenções realizadas pelo Projeto da Serra, empreendimento da Light da década de 1920. O projeto integrou grandes obras com o objetivo de captar água para gerar energia na Usina Henry Borden, em Cubatão (SP).